4 de dezembro de 2008

Solidão


O cúmulo da solidão, é termos que nos abraçar a nós mesmos, para sentir aconchego.
Ter que apertar com mais força, para não sentirmos medo.
Termos que ligar o televisor para que possamos ver alguém, ouvir alguém, rir ou chorar com alguém.
O cúmulo da solidão é sentir a impotência de abrir a porta da rua e ir ao encontro do mundo, porque lá fora seremos um só ser, sozinho a deambular no meio da multidão.
O cúmulo da solidão é não ter ninguém a quem ligar, porque o mundo todo está ocupado, ou acompanhado, e nós próprios também estamos, acompanhados e ocupados só que com a nossa própria solidão.
No cúmulo da solidão, é tão fácil atingir o cúmulo da loucura, no sítio onde só se ouvem vozes internas, que nos recordam e martirizam, e apenas são aliviadas pelo som de um suspiro.
No cúmulo da solidão perguntamos aos céus se somos entendidos, se compreende a nossa dor, e chamamos lágrimas ás gotas de chuva, porque se tornam quase que um gesto de compreensão e partilha do céu, e lavamos a alma com as suas lágrimas, que contemplamos da nossa janela, num secreto momento de partilha divina.
No cúmulo da solidão o toque das gotas da chuva na nossa pele, faz nos sentir vida.
As gotas que caem do céu não têm um sabor quente e salgado como as nossas lágrimas,têm leveza refrescam e purificam, são ancestrais.
No cúmulo da solidão fazemos planos, e no entanto continuamos inertes , sem reacção, porque estamos demasiadamente doridos e não conseguimos muito mais que olhar pela janela e concretizar todos os planos mas só em pensamento, assim... vagueando pelo vidro da nossa janela sozinhos.

5 comentários:

Mél disse...

Revejo-me muito nesse teu texto. Muito mesmo. Tentei passar para o papel aquilo que sentia, mas as palavras atropelavam-se e acabei por não conseguir.
Acabaste de me descrever e acredito que muitas mais pessoas também.
*****

Lita disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Edu disse...

ah fosga.se ta lindo

Lita disse...

Obrigado Mél,senti-me muito lisonjeada, e muito comovida, pelo carinho que me transmitis-te ao comentares desta forma, um simples e muito sincero desabafo meu. Um beijinho

Lita disse...

Obrigado Edu, escrevi com o coração, e do mesmo, agradeço as tuas palavras