27 de junho de 2008


A medo me exponho, mas é mais forte do que eu.
Não sei definir o que me leva a mais uma vez vir aqui escrever, deixei cair um pouco a minha máscara... sinto-me exposta... pois não partilho a minha fragilidade com ninguem, ninguem vísivel, pálpavel, mas no entanto hoje ... é verdade, e isso faz-me pensar o quão diferente estou, era impensável á uns tempos o fazer.
Sou um forte, um porto seguro , hoje um pouco defraudado, e com um medo imenso de ruir…
Sou um sorriso fácil, uma gargalhada constante, uma disposição sempre contagiante, mas com mágoas cá por dentro ....
Mas no entanto o prazer da escrita, o embalo que sinto nos dedos,que transcreve cada palavra do meu sentimento, empurra-me para aqui, senti falta deste meu canto, pois tornou-se o meu abrigo, o meu espaço secreto, o escape para as horas que teimam em não passar, aqui todas as dores são amenizadas, e as memórias fluem sem dor... com saudade talvez.
Por mais que possa iniciar um novo espaço,não tem o mesmo gosto, quem me lê aqui embora no anónimato, bem sabe que me encontra em outros cantos, mas não com este carinho , não com estes sentimentos, aqui sou mesmo eu , aqui anónimamente sou aconselhada, compreendida por uns, despertada por outros,consolada, incentivada, acarinhada e já não sei estar sem tudo isto, e principalmente, exclusivamente porque não consigo me negar ao carinho especial , a doçura que tenho por este meu canto...
Por isso aqui estou, por isso aqui quero continuar....só por uma lágrima tua...

1 comentários:

Madalena disse...

Escrever, é como espalhar numa tela, as cores com que pintamos a alma. É quase uma necessidade e é verdade que dói menos, que não magoa tanto, que sabe a saudade. Por isso e talvez, seja o unico meio que encontrei para ser eu mesma...Beijo!