12 de novembro de 2008

Faz-me esquecer



Chega a noite e peço á Lua... faz-me esquecer!
Por favor ouve o meu grito mudo,.... faz-me esquecer!
Deixa-me levar, deixa que me envolva no meu cobertor, sinta o cheiro da lareira, e me esqueça do mundo, deixa-me ser só eu, a própria, deixa-me libertar os meus ouvidos, os meus olhos e a minha mente por inteiro, devolve-me os sentidos e liberta a minha mente.
O meu maior desejo esta noite, é apagar como um televisor.
Não quero dar voltas e o sono mais uma vez não chegar, quero e preciso de descansar, não o corpo mas a mente!
Tem sido complicado nestes dias lidar com um turbilhão de sentimentos contraditórios, não é fácil começar uma desconfiança, desacreditarmos em alguém, e deixar que esse alguém nos magoe!
Já muitas vezes deixei de me dar, exactamente para não sentir a perda.
Hoje em dia liberto-me, em busca de receber, aceito a perda, e tento seguir mas ainda abro demasiado o meu coração e permito que entrem num patamar que não devia, pois é no que ainda dói a perda e isso eu não posso permitir.
Quero aprender a aceitar, libertar e esquecer, mas isso é uma etapa que ainda não alcancei, por tanto ainda dói.
Á que esperar que passe e até lá.... ouve-me....Faz-me esquecer!

2 comentários:

Mél disse...

Compreendo bem as tuas palavras, principalmente a parte do turbilhão de sentimentos.
Enknt se alimentar uma esperança a dor permanecerá sp. :(
bjs e bom fim de semana*****

Lita disse...

Somos um conflito do ser, do ter e do parecer!!!
Um beijinho